quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

O que é feito de... Krasimir Balakov


Foi um dos melhores jogadores búlgaros que passaram pelo nosso futebol português, representando um dos Três Grandes do futebol nacional, mas ainda faz carreira no seu país natal (Bulgária), bem como na Alemanha. Dono de uma excelente capacidade de finalização, este grande futebolista possuía uma excelente visão de jogo, um excelente remate de longa distância, um bom jogo aéreo, mesmo com 1,76 metros de altura, e possuía uma elevada capacidade de concentração em cada jogo que jogava, bem como um grande espírito de liderança dentro das quatro linhas. O seu nome é Krasimir Balakov. 


INÍCIO FUTEBOLÍSTICO NO SEU PAÍS NATAL    
Nascido no dia 29 de Março de 1966, na cidade búlgara de Tarnovo, Krasimir Guenchev Balakov deu início à sua carreira de futebolista profissional no clube de futebol da sua "cidade natal" - o Etar Tarnovo - na longínqua temporada de 1982/1983. Na sua passagem pelo Estádio Ivailo, Krasimir Balakov privou com outros jogadores búlgaros como, por exemplo, Emil Dimitrov, Stefan Lahchiev, Ilian Kiriakov, Trifon Ivanov, Bontcho Guentchev ou o ucraniano Ihor Kyslov. Como jogador dos búlgaros do Etar Tarnovo, Krasimir Balakov jogou, na totalidade, 142 jogos e marcou cerca de 35 golos, mas não conquistou nenhum título desportivo em solo búlgaro. Krasimir Balakov permaneceu no Estádio Ivailo durante nove épocas consecutivas (de 1982/1983 até 1990/1991).          


GRANDE ESTRELA NO REINO DO LEÃO
Após nove temporadas seguidas a defender as cores do Etar Tarnovo, Krasimir Balakov rumou até Portugal, a meio da temporada de 1990/1991, onde assinou pelo Sporting Clube de Portugal. Na sua passagem pelo antigo Estádio de Alvalade, Krasimir Balakov jogou ao lado de grandes figuras do universo sportinguista como, por exemplo, Pedro Venâncio, Paulo Torres, Mário Jorge, Oceano, Careca, Carlos Xavier, Emílio Peixe, Fernando Gomes ou Luís Figo, tendo sido treinado, na primeira temporada de leão ao peito, pelo experiente treinador brasileiro Marinho Peres. Como jogador do Sporting Clube de Portugal, Krasimir Balakov disputou, na totalidade, 168 jogos e marcou cerca de 60 golos, tendo festejado a conquista de 1 Taça de Portugal. Enquanto foi jogador do Sporting Clube de Portugal, Krasimir Balakov permaneceu em Alvalade durante cinco temporadas consecutivas (de 1990/1991 até 1994/1995). 

      

PRÓXIMA PARAGEM: ALEMANHA
Após cinco temporadas seguidas a representar o Sporting Clube de Portugal, Krasimir Balakov mudou-se para a Alemanha, na época de 1995/1996, onde assinou contrato com os alemães do Estugarda, privando com outros futebolistas como, por exemplo, Marc Ziegler, Sascha Maier, Axel Kruse, Danny Schwarz, Andreas Buck, Marco Haber, Joe Addo ou Franco Foda, tendo sido orientado, na primeira temporada, pelo técnico austríaco Rolf Fringer. Ao serviço dos germânicos do Estugarda, Krasimir Balakov jogou, na totalidade, 264 jogos e apontou cerca de 59 golos, tendo conquistado 1 Deutscher Football Bund Pokal. Krasimir Balakov permaneceu na Mercedes-Benz Arena durante nove temporadas consecutivas (de 1995/1996 até 2003/2004). 

         

TERMINAR NUM CLUBE MODESTO
Depois de nove temporadas a representar os alemães do Estugarda, Balakov ficou sem clube na temporada de 2004/2005 e na época seguinte, em 2005/2006, o médio-ofensivo búlgaro continuou no futebol alemão, mas assinou pelo modesto clube VFC Plauen. Na sua passagem pelo Vogtlandstadion, Krasimir Balakov partilhou o balneário com vários jogadores de futebol como, por exemplo, o albanês Ardian Dashi ou os alemães Sascha Gillert, René Schulze, Robert Böhme e Manuel Stiefel. Como jogador deste modesto clube alemão, Krasimir Balakov jogou, apenas, 1 jogo e não marcou nenhum golo, nem ganhou nenhum título desportivo pelo VFC Plauen. No final da temporada de 2005/2006, Krasimir Balakov decidiu colocar um ponto final na sua carreira de futebolista profissional ao mais alto nível. 

         

ESTRELA DA SELEÇÃO DA BULGÁRIA
Ao serviço da Seleção da Bulgária, Krasimir Balakov registou 92 internacionalizações e marcou cerca de 16 golos, tendo sido a estrela da equipa búlgara. Pela seleção búlgara, Balakov marcou presença em grandes competições de seleções como, por exemplo, o Campeonato do Mundo de 1994 (Estados Unidos da América) e de 1998 (França) e o Campeonato da Europa de 1996 (Inglaterra). Pelas camadas jovens da seleção búlgara, Balakov participou no Mundial de Sub-20 de 1985. 

 

Atualmente, com 49 anos de idade, Krasimir Balakov é o treinador principal dos búlgaros do Litex Lovech, depois de ter orientado também os alemães do VFC Plauen e do Kaiserslautern, dos suíços do Grasshoppers e do St.Gallen, dos também búlgaros do Chernomoretz e dos croatas do Hajduk Split. Também foi treinador-adjunto nos alemães do Estugarda.  


A FICHA

Nome: Krasimir Guenchev Balakov 
Idade: 49 anos 
Data de Nascimento: 29/03/1966 
Local de Nascimento: Tarnovo, Bulgária 
Altura: 1,76m 
Peso: 74 kg 
Posição: Médio-Ofensivo 
Internacionalizações: 92 jogos - 16 golos 


TRAJETÓRIA 

1982/1991: Etar Tarnovo
1991/1995: Sporting CP
1995/2004: Estugarda
2005/2006: VFC Plauen 


PALMARÉS

1 Taça de Portugal
Deutscher Football Bund Pokal  


EM AÇÃO


Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Bruno César: «Confiamos na conquista do título»; Luís Filipe Vieira: «O Sporting vai pagar pela irresponsabilidade das afirmações de Bruno de Carvalho»; André conquista rivais. 

  

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Os "problemas defensivos" que marcaram o Real Madrid



Estes novos motivos devem servir de prevenção para qualquer jogador que faça parte do esteio defensivo do todo-poderoso Real Madrid.


FLÁVIO CONCEIÇÃO


Foi comprado no primeiro Verão de Florentino Pérez, para substituir o sempre sublime Fernando Redondo. Este jogador brasileiro, de 25 milhões de euros, venceu a UEFA Champions League no ano de 2002, mas não conseguiu convencer enquanto médio-defensivo. 


CLAUDE MAKÉLÉLÉ


O médio francês era a "cola" que unia a equipa do Real Madrid. Quando Florentino Pérez o vendeu depois de três épocas "recheadas" de troféus - "Makélélé será esquecido", disse - o sonho dos Galáticos começou a desvanecer-se por completo. 


WALTER SAMUEL

   

O defesa-central argentino custou 24 milhões de euros e foi expulso na sua estreia pela equipa do Real Madrid. Recebeu mais 17 cartões amarelos e um vermelho durante uma época para esquecer e acabou por ser vendido ao Inter de Milão. 


JONATHAN WOODGATE


Uma lesão grave obrigou-o a esperar treze meses pela estreia, no ano de 2005, onde marcou um autogolo e foi expulso. O inglês foi votado como a pior contratação do século XXI pelo jornal desportivo espanhol Marca.    


THOMAS GRAVESEN


Foi um jogador muito intimidante em campo, mas não tinha classe para jogar num colosso europeu, como o Real Madrid. O dinamarquês foi contratado ao Everton, no ano de 2005, e foi muitas vezes assobiado no Santiago Bernabéu pelas inúmeras perdas de bola. 


PABLO GARCÍA


Este é outro jogador que foi contemplado várias vezes com cartões amarelos. O jogador uruguaio era muito conhecido por pontapear mais os adversários do que a própria bola. Ainda assim, este jogador, apenas, 28 jogos pelos merengues. Os adeptos do Real Madrid dirão que foram muitos jogos...  


CARLOS DIOGO

 

Este lateral-direito uruguaio nem era um titular do River Plate, pelo que a sua contratação, no ano de 2005, foi uma grande surpresa. Depois de treze jogos "pisgou-se" para o modesto Saragoça e ainda jogou na Bélgica. Atualmente está sem clube. 


SERGIO RAMOS

 

O Rambo foi o único jogador espanhol contratado por Florentino Pérez no seu primeiro mandato na presidência do Real Madrid e é, atualmente, um jogador de classe mundial. Mas os 16 cartões vermelhos são um recorde (negativo) na história do clube.  


CICINHO


Uma espécie de "Roberto Carlos destro", mas com as coxas menos largas... e bem pior a atacar e a defender. O defesa sul-americano fez, apenas, 18 jogos antes de ser transferido para os italianos da AS Roma. 



Qual é a vossa opinião acerca destes jogadores? Que mais "problemas defensivos" destacam ao longo da história do Real Madrid? Comentem. 

Cristiano Ronaldo "salvou" o Real Madrid


REAL MADRID 3-1 REAL SOCIEDAD
(Cristiano Ronaldo 42' (GP) e 67' e Lucas Vázquez 86'; Bruma 49')

Hoje, no Santiago Bernabéu, o Real Madrid recebeu e venceu, por 3-1, a Real Sociedad, mantendo-se na luta pelo título espanhol, mas ainda ganhou para o susto quando os bascos empataram o jogo na segunda parte. O destaque desta partida vai, claramente, para a exibição cinzenta do Real Madrid, para o penalti desperdiçado por Cristiano Ronaldo e para o grande golo marcado pelo internacional português Sub-21 Bruma. 


GOLOS

42' - REAL MADRID: Penalti marcado por Cristiano Ronaldo - Depois de falhar a primeira grande penalidade, Cristiano Ronaldo não falhou o segundo penalti e atirou a bola para o lado direito do guarda-redes Rulli, que ainda adivinhou o lado. Estava feito o 1-0.  

49' - REAL SOCIEDAD: Golo de Bruma - Depois de um grande lance de contra ataque da Real Sociedad, o extremo português rematou em arco para o fundo da baliza do Real Madrid, defendida por Keylor Navas, e restabeleceu o empate fazendo o 1-1 no segundo tempo.  

67' - REAL MADRID: Golo de Cristiano Ronaldo - Após a marcação de um pontapé de canto batido pelo lateral-esquerdo brasileiro, Marcelo, o internacional português remato de primeira, com o pé esquerdo, para o fundo das redes de Rulli, fazendo o 2-1 para o Real Madrid. 

86' - REAL MADRID: Golo de Lucas Vázquez - Na sequência de um excelente cruzamento do extremo galês, Gareth Bale, o jovem médio espanhol finaliza, de forma perfeita, para o fundo da baliza da Real Sociedad, colocando o resultado final em 3-1 para os blancos


DESTAQUES

Cristiano Ronaldo - Marcou dois golos que "salvaram" o treinador espanhol Rafael Benítez. 

Gareth Bale - Esteve muito interventivo no jogo, como comprova a assistência para o terceiro golo. 

Lucas Vázquez - Entrou para ajudar a segurar o resultado, mas ainda o aumentou mais. 

Karim Benzema - Passou completamente ao lado do jogo. 
   
Bruma - Marcou um grande golo na segunda parte e ainda perdeu uma oportunidade para fazer o 2-1 para a equipa basca. 

Rulli - Salvou a Real Sociedad de uma goleada de maiores proporções. 



Homem do jogo da parte do Real Madrid: Cristiano Ronaldo 
Homem do jogo da parte da Real Sociedad: Bruma  

Revista "Futebolista" - A Melhor Revista de Futebol

REVISTA "FUTEBOLISTA"







O que é feito de... Fábio Rochemback


Dono de um "pontapé-canhão" quando se tratava de marcar livres diretos, este jogador possuía também uma boa capacidade passe e possuía uma boa visão de jogo, bem como uma elevada capacidade de concentração. Passou por vários países, como Espanha, Portugal ou China, mas  na segunda passagem por Portugal apresentou algum excesso de peso. Atualmente, no futebol português, já não há nenhum jogador com pontapé tão forte como este jogador possuía nos relvados internacionais. O seu nome é Fábio Rochemback. 


INÍCIO NO INTERNACIONAL DE PORTO ALEGRE
Nascido no dia 10 de Dezembro de 1981, na cidade brasileira de Soledade, Fábio Rochemback começou a sua carreira no mundo do futebol, no ano de 2000, quando integrou a equipa principal do Internacional de Porto Alegre, onde privou com grandes jogadores de futebol como, por exemplo, Lúcio, Fernando Cardozo, Tiago Freitas, Diogo Rincon ou Fábio Pinto, tendo sido treinado por Guto Ferreira. Como jogador dos brasileiros do Internacional de Porto Alegre, Fábio Rochemback jogou, na totalidade, 40 jogos e marcou, apenas, 7 golos, mas não ganhou nenhum título pelo conjunto brasileiro. Rochemback permaneceu em Porto Alegre durante duas épocas seguidas (2000, 2001). 

      

CHEGADA A CAMP NOU
Na temporada seguinte, em 2001/2002, Fábio Rochemback abandonou o Internacional de Porto Alegre e rumou até Espanha, onde assinou contrato com o "todo-poderoso" Barcelona. Na sua passagem por Camp Nou, Fábio Rochemback jogou ao lado de grandes nomes como, por exemplo, Roberto Bonano, Pepe Reina, Patrik Andersson, Phillip Cocu, Xavi Hernández, Rivaldo, Javier Saviola, Marc Overmars, Patrick Kluivert ou Luis Enrique, tendo sido treinado pelo técnico espanhol Carlos Rexach. Ao serviço do clube blaugrana, Fábio Rochemback jogou, na totalidade, 68 jogos e marcou, apenas, 4 golos, mas não ganhou nenhum título desportivo em solo espanhol. O médio-defensivo brasileiro permaneceu duas épocas seguidas na Catalunha (2001/2002, 2002/2003).

   

PRIMEIRA PASSAGEM PELO FUTEBOL PORTUGUÊS   
Depois de duas épocas a defender a camisola do Barcelona, Fábio Rochemback mudou-se para Portugal, na época de 2003/2004, onde assinou pelo Sporting Clube de Portugal e onde jogou ao lado de grandes nomes do futebol leonino como, por exemplo, Ricardo, Hugo, Anderson Polga, Beto, Carlos Martins, Paulo Bento, Pedro Barbosa, Tinga, Liedson, João Vieira Pinto ou Marius Niculae, tendo sido treinado, na primeira época, por Fernando Santos. Como jogador do Sporting Clube de Portugal, Fábio Rochemback disputou, na totalidade, 66 jogos e marcou cerca de 13 golos, mas não conquistou nenhum troféu pelo equipa verde e branca. Fábio Rochemback permaneceu três épocas consecutivas no Estádio de Alvalade (de 2003/2004 até 2005/2006). 

   

MUDANÇA PARA INGLATERRA
A meio da temporada de 2005/2006, Rochemback deixou o Sporting Clube de Portugal e rumou até Inglaterra, onde assinou contrato com os ingleses do Middlesbrough, privando com nomes bem conhecidos como, por exemplo, Mark Schwarzer, Brad Jones, Gareth Southgate, Abel Xavier, Michael Reiziger, Gaizka Mendieta, Stewart Downing, Jimmy Floyd Hasselbaink ou Mark Viduka, tendo sido orientado, na primeira temporada, por Steve McClaren. Ao serviço dos ingleses do Middlesbrough, Fábio Rochemback realizou, na totalidade, 91 jogos e marcou, apenas, 7 golos, mas não ganhou nenhum título em solo britânico. Fábio Rochemback ficou durante três temporadas consecutivas em Inglaterra (de 2005/2006 até 2007/2008). 

  

REGRESSO A ALVALADE
Após três temporadas consecutivas a defender as cores do Middlesbrough, Fábio Rochemback regressou a Portugal para voltar a representar o único clube que conheceu no futebol português - o Sporting Clube de Portugal. No regresso ao Estádio de Alvalade, Fábio Rochemback privou com outros grandes jogadores do clube verde e branco como, por exemplo, Rui Patrício, Daniel Carriço, Adrien Silva, João Moutinho, Miguel Veloso, Marat Izmaylov, Derlei, Rodrigo Tiuí ou Hélder Postiga, tendo sido treinado por Paulo Bento. Na segunda passagem por Alvalade, Fábio Rochemback jogou, na totalidade, 34 jogos e marcou, apenas, 1 golo, tendo conquistado 1 Supertaça de Portugal. Neste regresso ao futebol português, Rochemback permaneceu, apenas, duas temporadas no Sporting Clube de Portugal (2008/2009, 2009/2010). 

     

DE VOLTA AO BRASIL 
Após duas temporadas em Portugal, Fábio Rochemback regressou ao futebol brasileiro, no ano de 2009, onde assinou contrato com o arquirrival do Internacional de Porto Alegre - o Grémio de Porto Alegre. No clube tricolor, Fábio Rochemback jogou ao lado de vários futebolistas como, por exemplo, Victor, Mário Fernandes, Réver, Douglas Costa, Rafael Martins, Maxi López ou Jonas, tendo sido treinado por três treinadores na primeira época no regresso ao Brasil: Celso Roth, Paulo Autuori e Marcelo Rospide. Como jogador do Grémio de Porto Alegre, Fábio Rochemback jogou, na totalidade, 107 jogos e marcou, apenas, 6 golos, mas não conquistou nenhum título em solo brasileiro. Fábio Rochemback permaneceu no Grémio de Porto Alegre durante três temporadas consecutivas (2009, 2010, 2011).

   

VIAGEM PARA A CHINA
Depois de três temporadas seguidas a defender as cores do Grémio de Porto Alegre, Fábio Rochemback rumou até à China, onde assinou contrato com o Dalian Aerbin, no ano de 2012. No clube chinês, Fábio Rochemback jogou ao lado de vários jogadores de futebol como, por exemplo, Lee Addy, Daniel Mullen, Seydou Keita, Peter Utaka, Yu Dabao ou Gustavo Canales, tendo sido treinado, na primeira época, por dois treinadores: o sul-coreano Chang Woe-Ryong e o sérvio Aleksandar Stanojevic. Como jogador dos asiáticos do Dalian Aerbin, Fábio Rochemback jogou, na totalidade, 51 jogos e marcou, apenas, 6 golos, mas não ganhou nenhum título desportivo nos relvados chineses. Fábio Rochemback ficou, apenas, duas temporadas consecutivas no Dalian Aerbin (2012, 2013). 

        

POUCO ESPAÇO NA SELEÇÃO CANARINHA
Ao serviço da Seleção do Brasil, Fábio Rochemback registou 7 internacionalizações e não marcou qualquer golo, tendo sempre pouco espaço na seleção canarinha. Pela seleção brasileira, Fábio Rochemback marcou presença em duas grandes competições de seleções: a Copa América de 2001 e a Taça das Confederações de 2001.

  

Atualmente, com 34 anos de idade, Fábio Rochemback não está ligado contratualmente a nenhum clube de futebol. 



A FICHA

Nome: Fábio Rochemback 
Idade: 34 anos 
Data de Nascimento: 10/12/1981 
Local de Nascimento: Soledade, Brasil 
Altura: 1,83m 
Peso: 83 kg 
Posição: Médio-Defensivo/Médio-Centro 
Internacionalizações: 7 jogos - 0 golos 


TRAJETÓRIA 

2000/2001: Internacional 
2001/2003: Barcelona
2003/2010: Sporting CP
2005/2008: Middlesbrough 
2009/2011: Grémio
2012/2013: Dalian Aerbin 


PALMARÉS

1 Supertaça de Portugal


EM AÇÃO


Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Festa na capital; Grimaldo: «Quero celebrar grandes títulos»; Liga e desliga. 

  

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Sporting entra a ganhar na Taça da Liga

Sporting-Paços Ferreira (Lusa)

SPORTING CP 3-1 P.FERREIRA
(Aquilani 8', Gelson Martins 52' e Bryan Ruiz 72'; Christian 45'+1)

Hoje, no Estádio de Alvalade, o Sporting Clube de Portugal recebeu e venceu, por 3-1, o Paços de Ferreira na abertura da fase de grupos da Taça da Liga e fechou o ano de 2015 com uma vitória, bem como garantiu um passo de gigante para a qualificação para as meias-finais desta mesma competição. O destaque desta partida vai, claramente, para a grande exibição da equipa do Sporting CP e de Gelson Martins e de Matheus Pereira, na parte individual.  


GOLOS

8' - SPORTING CP: Golo de Alberto Aquilani - Após um grande cruzamento de Jefferson, Gelson Martins assiste Aquilani e o médio transalpino, em zona frontal, remata para a baliza de Rafael Defendi, não dando qualquer hipótese de defesa ao guarda-redes pacense. Estava feito o 1-0. 

45'+1 - PAÇOS DE FERREIRA: Golo de Christian - Na marcação de um livre direto, num remate fortíssimo de Christian, Marcelo Boeck fica muito mal na fotografia ao deixar a bola passar por baixo do corpo fazendo o 1-1 no resultado... antes do intervalo.  

52' - SPORTING CP: Golo de Gelson Martins - Numa grande jogada pelo lado esquerdo, Jefferson cruza para a entrada da grande área pacense, após um grande passe de Matheus Pereira, e Gelson Martins remata a bola para o fundo das redes de Rafael Defendi, fazendo o 2-1 para os leões

72' - SPORTING CP: Golo de Bryan Ruiz - Depois de outro passe de classe de Matheus Pereira, o atacante costa-riquenho senta o guarda-redes do Paços de Ferreira e acaba por "picar" a bola por cima do guardião brasileiro, colocando o resultado final em 3-1. 


DESTAQUES

Matheus Pereira - O jovem craque brasileiro "partiu a loiça toda". 

Gelson Martins - Fez também uma grande exibição, coroada com um grande golo. 

Bryan Ruiz - Entrou e ainda fez um golo com muita classe. 

Rafael Defendi - Evitou uma goleada ainda maior. 

Christian - Marcou o golo do empate na primeira parte, mas no segundo tempo "apagou-se". 

João Góis - Muito desconcentrado no segundo tempo.  




Homem do jogo da parte do Sporting CP: Matheus Pereira 
Homem do jogo da parte do Paços de Ferreira: Rafael Defendi  

OFICIAL: Sporting anuncia acordo com a NOS por 515 milhões de euros


Depois do Sport Lisboa e Benfica e do Futebol Clube do Porto terem conseguido fazer "negócios estratosféricos" com as respetivas operadoras em relação aos direitos televisivos, chegou a vez do Sporting Clube de Portugal anunciar o acordo com a operador NOS no valor de 515 milhões de euros. Na totalidade deste acordo, o Sporting CP vai receber 515 milhões de euros pelo acordo realizado com a NOS, sendo que os direitos de transmissão dos jogos em casa dos leões e os direitos de exploração da publicidade estática e virtual do Estádio de Alvalade tem validade para as próximas dez temporadas, tendo início no dia 1 de Julho de 2018. Por outro lado, os direitos de transmissão e de distribuição terá validade para as próximas doze temporadas com início marcado para 1 de Julho de 2017, enquanto a NOS será o principal patrocinador do Sporting Clube de Portugal durante doze épocas e meia, dando início a esse mesmo patrocínio a partir do dia 1 de Janeiro de 2016. 


Leiam aqui o comunicado da NOS.

Qual é a vossa opinião acerca desta notícia? Foi, de facto, uma grande notícia para o Sporting Clube de Portugal? Pedro Proença ainda tem condições para se manter na presidência da Liga de Clubes? Comentem. 

O que é feito de... Enzo Scifo


Fez grande parte da carreira em três países diferentes (Itália, Bélgica e França) e foi um dos melhores jogadores belgas de todos os tempos, sendo destronado, atualmente, pelo jogador do Chelsea Eden Hazard, a quem já chamaram como sendo o seu herdeiro. Dono de uma excelente capacidade de finalização, este médio-ofensivo belga possuía uma excelente visão de jogo, tinha um bom remate de longa distância e possuía uma enorme capacidade técnica, bem como uma elevada capacidade de concentração e um enorme espírito de liderança dentro das quatro linhas. O seu nome é Enzo Scifo.  



FORMADO NO ANDERLECHT  
Nascido no dia 19 de Fevereiro de 1966, na cidade belga de La Louvière, Vincenzo Daniele Scifo deu início à sua carreira no mundo do futebol, ao mais alto nível, no Anderlecht, quando este era uma grande potência do futebol  europeu, na época de 1983/1984. No Anderlecht, Enzo Scifo privou com grandes nomes como, por exemplo, Franky Vercauteren, Arnor Gudjohnsen, Dirk Goossens, Guy Marchoul, Morten Olsen ou Stéphane Demol, tendo sido treinado, na primeira temporada, por Paul Van Himst. Como jogador dos belgas do Anderlecht, Enzo Scifo jogou, na totalidade, 24 jogos e marcou, apenas, 5 golos, tendo conquistado 3 Jupiler League e 2 Supertaças da Bélgica. Na primeira passagem pelo Anderlecht, Enzo Scifo permaneceu quatro épocas na Bélgica (de 1983/1984 até 1986/1987). 

        

ITÁLIA E FRANÇA - PARTE I
Depois de brilhar com a camisola do Anderlecht, durante quatro temporadas seguidas, Enzo Scifo rumou até Itália, mais concretamente para a cidade de Milão, onde assinou contrato com o "todo-poderoso" Inter de Milão, privando com grandes futebolistas como, por exemplo, Daniel Passarella, Aldo Serena, Walter Zenga, Giuseppe Baresi ou Riccardo Ferri, tendo sido treinado por Giovanni Trapattoni. Ao serviço dos italianos do Inter de Milão, Enzo Scifo jogou, na totalidade, 34 jogos e marcou, apenas, 5 golos, mas não ganhou qualquer título desportivo em solo italiano. Na época seguinte, em 1988/1989, Enzo Scifo rumou até França, onde assinou pelo Bordéus e onde foi companheiro de equipa de jogadores de futebol como, por exemplo, Bixente Lizarazu, Jean Tigana, Gernot Rohr, Christophe Dugarry ou Éric Cantona, tendo sido treinado por Aimé Jacquet. Como jogador dos franceses do Bordéus, Enzo Scifo disputou, na totalidade, 30 jogos e apontou, apenas, 8 golos, mas não ganhou nenhum troféu pelo conjunto francês. Depois de jogar no Bordéus, Enzo Scifo assinou pelo Auxerre, na temporada de 1989/1990, onde jogou ao lado de futebolistas como, por exemplo, Pascal Vahirua, Jean-Luc Courtet, Bruno Martini ou Basile Boli, tendo sido treinado por Guy Roux. Ao serviço do Auxerre, Enzo Scifo jogou, na totalidade, 75 jogos e marcou cerca de 30 golos, mas não conquistou nenhum título desportivo. O médio-ofensivo belga permaneceu no Auxerre durante duas temporadas (1989/1990, 1990/1991). 

          

ITÁLIA E FRANÇA - PARTE II
Na temporada de 1991/1992, Enzo Scifo regressou ao futebol italiano e assinou contrato com o Torino, onde privou com outros futebolistas como, por exemplo, Casagrande, Christian Vieri, Luca Pastine, Raffaele di Fusco, Enrico Annoni ou Luca Fusi, tendo sido treinado por Emiliano Mondonico. Ao serviço dos transalpinos do Torino, Enzo Scifo jogou, na totalidade, 77 jogos e apontou cerca de 17 golos, tendo conquistado 1 Taça de Itália. Enzo Scifo permaneceu em Turim durante duas épocas seguidas (1991/1992, 1992/1993). Na temporada seguinte, em 1993/1994, Enzo Scifo regressou, novamente, a França, onde assinou pelo AS Mónaco. Na sua passagem pelo Stade Louis II, Enzo Scifo privou com grandes futebolistas como, por exemplo, Lilian Thuram, Youri Djorkaeff, Emmanuel Petit, Claude Puel ou Jürgen Klinsmann, tendo sido treinado, na primeira temporada, por Arsène Wenger e por Jean Petit. Ao serviço do AS Mónaco, Enzo Scifo realizou, na totalidade, 109 jogos e marcou cerca de 22 golos, tendo conquistado 1 Ligue 1. Enzo Scifo permaneceu no clube monegasco durante quatro temporadas consecutivas (de 1993/1994 até 1996/1997). 


REGRESSO À BÉLGICA E FIM DA CARREIRA 
Após quatro temporadas seguidas a jogar no AS Mónaco, Enzo Scifo regressou ao futebol belga, na temporada de 1997/1998, onde assinou pelo seu Anderlecht, privando com outros jogadores de futebol como, por exemplo, Filip De Wilde, James Obiorah, Andrei Demkin ou Pär Zetterberg, tendo sido orientado, na primeira época, por dois treinadores: Arie Haan e René Vandereycken. Como jogador do Anderlecht, Enzo Scifo jogou, na totalidade, 9 jogos e marcou, apenas, 1 golo, tendo ganho 1 Jupiler League. Na segunda passagem pelo Anderlecht, Enzo Scifo permaneceu três épocas seguidas (de 1997/1998 até 1999/2000). Na temporada seguinte, em 2000/2001, Enzo Scifo desvinculou-se do Anderlecht e rumou até ao modesto Charleroi, onde não jogou qualquer jogo pelo modesto clube e no final dessa época decidiu colocar um ponto final na sua carreira de futebolista profissional. 

       

MAESTRO DA SELEÇÃO DA BÉLGICA 
Como jogador da Seleção da Bélgica, Enzo Scifo registou 84 internacionalizações e marcou 18 golos, tornando-se no maestro da seleção belga. Pela Seleção da Bélgica, Enzo Scifo marcou presença em grandes competições de seleções como, por exemplo, o Campeonato do Mundo de 1986 (México), de 1994 (Estados Unidos da América) e de 1998 (França) e o Campeonato da Europa de 1988 (Alemanha) e de 1990 (Itália). 


Atualmente, com 49 anos  de idade, Enzo Scifo é o selecionador da Seleção de Sub-21 da Bélgica, depois de ter treinado o Charleroi, o Tubize, o Mouscron e o Mons. 



A FICHA

Nome: Vincenzo Daniele Scifo
Idade: 49 anos
Data de Nascimento: 19/02/1966
Local de Nascimento: La Louvière, Bélgica
Altura: 1,78m
Peso: 74 kg
Posição: Médio-Ofensivo
Internacionalizações: 84 jogos - 18 golos


TRAJETÓRIA

1983/2000: Anderlecht
1987/1988: Inter de Milão
1988/1989: Bordéus
1989/1991: Auxerre
1991/1993: Torino
1993/1997: AS Mónaco
2000/2001: Charleroi    


PALMARÉS

4 Jupiler League
2 Supertaças da Bélgica
1 Taça de Itália
1 Ligue 1


EM AÇÃO



Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Grimaldo volta já; Adrien Silva: «Este ano temos mentalidade de campeões»; Ensaio para dois.