domingo, 31 de maio de 2015

Sete anos depois, o Sporting conquista a 16ª Taça de Portugal

Taça de Portugal: Sporting (Lusa)

SPORTING CP 2-2 SP.BRAGA
(Slimani 84' e Fredy Montero 90+2'; Éder 15'  (GP) e Rafa 25')
Penaltis: 3-1

Hoje, no Estádio Nacional do Jamor, o Sporting Clube de Portugal bateu o Sporting de Braga, por 3-1, no desempate por grandes penalidades, depois de um jogo épico, sofrido e de muita garra do lado "verde e branco". O destaque desta partida vai, claramente, para a exibição de Rui Patrício, os dois golos "salvadores" de Montero e Slimani e para os dois golos dos bracarenses. 


GOLOS

15' - SP.BRAGA: Penalti marcado por Éder - Na conversão do castigo máximo, o ponta-de-lança português enganou Rui Patrício e mandou a bola para o lado contrário do guarda-redes "leonino". Estava feito o 0-1. 

25' - SP.BRAGA: Golo de Rafa - O jovem extremo português ganha uma disputa de bola com Miguel Lopes e corre na direção de Rui Patrício, metendo o esférico por baixo das pernas do guarda-redes nacional, fazendo o 0-2 para os "arsenalistas". 

84' - SPORTING CP: Golo de Islam Slimani - Depois de um erro de Kritciuk, o avançado argelino aproveita esse erro, para rematar rasteiro e de longe para o fundo das redes defendidas pelo guarda-redes russo do Sporting de Braga, reduzindo para 1-2 para os "leões" de Marco Silva. 

90+2' - SPORTING CP: Golo de Fredy Montero - Após uma bola longa para a grande área do Sporting de Braga, a defesa bracarense deixa passar e Montero toca por cima do guarda-redes russo colocando o resultado final em 2-2.


GRANDES PENALIDADES

SP.BRAGA: Penalti marcado por Alan
SPORTING: Penalti marcado por Adrien Silva
SP.BRAGA: Penalti falhado por André Pinto
SPORTING: Penalti marcado por Nani
SP.BRAGA: Penalti falhado por Éder
SPORTING: Penalti marcado por Islam Slimani 
SP.BRAGA: Penalti falhado por Salvador Agra


DESTAQUES

Rui Patrício - Foi, sem dúvida, o grande homem do jogo. 

Islam Slimani - O seu golo deu novo ânimo à equipa "leonina". 

Fredy Montero - El Avioncito marcou o golo que levou o jogo para o prolongamento. 

Cédric Soares - Aos 15 minutos cometeu o erro que poderia ter custado caro ao Sporting CP. 

Marco Silva - Ganhou o seu primeiro título e, tenho a certeza, que não sairá de Alvalade. 

Éder - Marcou o primeiro golo e falhou um penalti decisivo. 

Rafa - Dos poucos que fez um bom jogo pelo Sp.Braga. 

Kritciuk - Também fez um bela exibição no Jamor. 

Mauro - Cometeu uma infantilidade que custou caro ao Sp.Braga. 

Sérgio Conceição - Ainda não é desta que conquistou um título como treinador.   


FALAM OS TREINADORES...

Marco Silva (Sporting CP): «Estivemos lá em baixo e conseguimos vencer» 

Sérgio Conceição (Sp.Braga): «É triste perder desta maneira...» 


FALAM OS JOGADORES...

Rui Patrício (Sporting CP): «Momento único» 

Éder (Sp.Braga): «Não merecíamos sair daqui com este resultado» 



Homem do jogo da parte do Sporting CP: Rui Patrício 
Homem do jogo da parte do Sp.Braga: Kritciuk 

Craques 2ª Liga: Wallyson Mallmann, a "joia da coroa" do Sporting


É um dos mais jovens promissores da Equipa B do Sporting Clube de Portugal, treinada pelo técnico João de Deus, e já passou pelas camadas jovens de clubes como, por exemplo, Basileia e Manchester City. Este grandíssimo jogador pode atuar nas três posições do meio-campo "leonino", é um jogador bastante veloz e possui uma grande capacidade de criatividade e de drible. O seu nome Wallyson Mallmann e é a nova "joia da coroa" do Sporting Clube de Portugal. 


DO BRASIL PARA O VELHO CONTINENTE 
Nascido no dia 16 de Fevereiro de 1994, no estado brasileiro de Mato Grosso, Wallyson Teixeira Mallmann acabou por ter um percurso algo interessante e pouco comum. Com 17 anos de idade, Wallyson Mallmann, apenas, treinava no modesto clube brasileiro Espírito Santo, mas não realizou qualquer partida oficial por esse clube modesto. Portanto, Wallyson Mallmann deu o "salto" para o continente europeu e rumou até à Suíça, onde assinou contrato com o Basileia, onde acabou por integrar os escalões de formação do clube helvético, na temporada de 2010/2011. Mas na época seguinte, em 2011/2012, Wallyson Mallmann deixou as camadas jovens do Basileia e rumou até Inglaterra, onde integrou as camadas jovens do "todo-poderoso" Manchester City, mas acabou por não ser inscrito no clube britânico por excesso de comunitários, num cenário que precipitou a sua chegada ao Estádio de Alvalade, na época seguinte em 2012/2013.  

     

FORMAÇÃO NO REINO DO LEÃO
Apesar de ter tido passagens curtas pelos escalões de formação dos suíços do Basileia e dos ingleses do Manchester City é justo dizer que o jovem Wallyson Mallmann teve a sua verdadeira formação futebolística na famosa de Academia de Alcochete do Sporting Clube de Portugal, no seu segundo ano de júnior "leonino" onde realizou 37 jogos e depois ter marcado 4 golos na equipa de Sub-19, assumindo-se como uma mais-valia, no futuro, para a equipa principal do Sporting Clube de Portugal. Entre a época 2013/2014 e a época 2014/2015, Wallyson Mallmann contabiliza, na totalidade, 63 jogos e 9 golos marcados pela Equipa B "leonina", orientada por João de Deus. Ainda assim, Wallyson Mallmann fez quatro aparições na Taça da Liga pela equipa principal do Sporting CP.


MÉDIO QUE PODE JOGAR A "8", "6" OU A "10" 
O jovem médio brasileiro do Sporting Clube de Portugal, Wallyson Mallmann, pode jogar em todas as posições do meio-campo da Equipa B do Sporting CP, ainda que as suas caraterísticas técnico-táticas lhe permitam atuar como na posição "8" ou box-to-box. Este jovem craque, com origens alemãs, é um jogador bastante veloz, apresenta uma enorme capacidade de criatividade e de drible, possui uma boa inteligência que lhe permite a ocupação de espaços, possui uma excelente capacidade de passe e tem uma boa eficácia nas transições ataque/defesa e defesa/ataque. Ainda assim, Wallyson pode, também, atuar como "6" e "10", mas como menos brilho, porque acaba-lhe por lhe faltar alguma agressividade em campo nos duelos individuais, que o coloca num degrau de menor excelência como médio-defensivo. Por fim, já como médio-ofensivo, Wallyson Mallmann tem um bom remate de longa distância, mas a jogar como "10" dissipavam-se as suas qualidades como, por exemplo, a inteligência e enorme amplitude na ocupação de espaços. 



A FICHA

Nome: Wallyson Teixeira Mallmann 
Idade: 21 anos
Data de Nascimento: 16/02/1994 
Local de Nascimento: Mato Grosso, Brasil 
Altura: 1,83m
Peso: 77 kg 
Posição: Médio-Centro 
Clube: Sporting CP 


TRAJETÓRIA 

2008/2010: Espírito Santo 
2010/2011: Basileia 
2011/2012: Manchester City 
2012/2015: Sporting CP 


PALMARÉS 

Não tem.


EM AÇÃO


Jornais de Hoje

Títulos de hoje: A taça é minha; A festa de Portugal; Famintos pela taça. 

  

sábado, 30 de maio de 2015

Onze do Campeonato



Adriano Facchini (Gil Vicente): A minha escolha para a baliza recai no guarda-redes brasileiro do Gil Vicente. Adriano Facchini, pelo conjunto de Barcelos, realizou boas exibições e não se percebe como ainda não chegou a um clube com outras ambições, pois tem imensa qualidade nas suas luvas. 

Hélder Lopes (Paços de Ferreira): Para o lado esquerdo da defesa, a minha escolha vai para o português Hélder Lopes, que joga na equipa do Paços de Ferreira. O lateral-esquerdo português apresentou uma certa regularidade e penso que também é um jogador a ter em conta para os "três grandes" e, quiçá, para a Seleção Nacional. 

Iván Balliu (Arouca): Para o lado direito da defesa, a minha escolha vai para o lateral-direito espanhol, que foi formado na cantera do Barcelona. Iván Balliu foi um dos jogadores-chave da equipa arouquense, orientada por Pedro Emanuel, e deu sempre grande estabilidade, quer a atacar quer a defender. 

Paulo Oliveira (Sporting CP): A minha primeira escolha para a dupla de defesas-centrais vai para o sportinguista Paulo Oliveira. Ao longo da época, depois de ter sido suplente de Maurício e de Naby Sarr, Paulo Oliveira assumiu-se como "patrão" da defesa dos "leões", ao lado de Ewerton ou de Tobias Figueiredo. 

Raúl Silva (Marítimo): Chegou em Janeiro à equipa insular, proveniente do Figueirense, e pegou de estaca na equipa titular de Ivo Vieira assumindo-se como um "patrão" na defesa insular. O único ponto fraco deste jogador de enorme qualidade é o seu "temperamento explosivo" que terá de ser ainda muito bem "lapidado". 

Danilo Pereira (Marítimo): O jovem médio-defensivo português da equipa do Marítimo é a minha escolha para a posição de médio-defensivo. Danilo Pereira sabe "destruir" o jogo adversário e sabe sair a jogar com a bola nos pés. Este jogador é mais um craque português de grande qualidade e poderá chegar ainda à Seleção Nacional. 

Danilo Silva (Sp.Braga): A minha primeira escolha para jogar à frente do pivô é o outro Danilo, mas o Silva. Este jogador deu uma grande qualidade ao meio-campo do Sporting de Braga e fez sempre a diferença na equipa de Sérgio Conceição. Com a sua saída para Juventus, o Sp.Braga irá ressentir-se da sua ausência. 

André André (V.Guimarães): A segunda escolha para jogar à frente do pivô recai em André André, atualmente ao serviço do Vitória de Guimarães. O médio-ofensivo português foi o maestro da equipa vimaranense ao longo da época e o quinto lugar é fruto do trabalho do jovem craque português dentro do campo. 

Dimitris Pelkas (V.Setúbal): Para o lado direito do ataque, Dimitris Pelkas é a minha escolha, pois o extremo grego foi um das grandes figuras da equipa sadina, logo a seguir ao Lukas Raeder e ao João Schmidt. Pelkas foi um grande desequilibrador ao serviço do Vitória de Setúbal ao longo da época e salvou os sadinos da descida de divisão. 

"Nico" Gaitán (SL Benfica): Para o lado esquerdo do ataque, a minha escolha recai em Nicolás Gaitán, pois o extremo argentino do Sport Lisboa e Benfica foi um dos principais artilheiros do bicampeonato do clube da Luz. Esta poderá ser a última época de "Nico" Gaitán de "águia ao peito", antes de rumar para um grande campeonato europeu.  

Moussa Marega (Marítimo): A minha escolha para a posição "9" vai para o ponta-de-lança franco-maliano do Marítimo, Moussa Marega, que chegou em Janeiro para substituir Maazou, que havia saído também no mês de Janeiro. Moussa Marega revelou-se um bom goleador para a equipa orientada por Ivo Vieira.  


Qual é a vossa opinião acerca deste Onze do Campeonato? Concordam com as escolhas para este onze? Quais seriam as vossas escolhas? Comentem. 

O que é feito de... Ryan Babel



Foi considerado uma das maiores jovens promessas do futebol holandês, logo a seguir ao "problemático"  Royston Drenthe, e foi uma das estrelas do plantel do Liverpool, a seguir a Fernando Torres e a Steven Gerrard. Era um extremo-esquerdo bastante veloz, tinha uma enorme capacidade de finalização e era dono de uma impressionante capacidade técnica. O seu nome é Ryan Babel. 

FORMADO NA CANTERA DO AJAX 
Nascido no dia 19 de Dezembro de 1986, na cidade holandesa de Amesterdão, capital da Holanda, Ryan Miguel Guno Babel começou a sua carreira no mundo do futebol na famosa cantera dos holandeses do Ajax de Amesterdão, onde privou com grandes jogadores como, por exemplo, Maarten Stekelenburg, Bogdan Lobont, John Heitinga, Thomas Vermaelen, Steven Pienaar, Rafael van der Vaart, Nigel de Jong ou Zlatan Ibrahimovic. Como jogador do Ajax de Amesterdão, Ryan Babel jogou, na totalidade, 133 jogos e marcou cerca de 29 golos, tendo conquistado 1 Eredivisie, 2 KNVB-Beker e 2 Johan Cruijff Schaal. Neste início de carreira, Ryan Babel permaneceu cinco épocas seguidas nas camadas jovens do clube de Amesterdão (de 1998/1999 até 2002/2003) e quatro temporadas na equipa principal do Ajax de Amesterdão (de 2003/2004 até 2006/2007).

    

CHEGADA À CIDADE DOS BEATLES 
Após brilhar com a camisola do Ajax de Amesterdão, Ryan Babel rumou até Inglaterra para assinar contrato com o "todo-poderoso" Liverpool, a troco de 17 milhões de euros, onde jogou ao lado de futebolistas como, por exemplo, Pepe Reina, Fábio Aurélio, Álvaro Arbeloa, Xabi Alonso, Yossi Benayoun, Harry Kewell, Steven Gerrard, Fernando Torres ou Dirk Kuyt, tendo sido treinado pelo técnico espanhol Rafael Benítez. Ao serviço do histórico clube de Anfield Road, Ryan Babel disputou, na totalidade, 146 jogos e marcou cerca de 22 golos, mas não conquistou qualquer título na Cidade dos Beatles. Na sua passagem pelo mítico Anfield Road, Ryan Babel nunca chegou a demonstrar, na totalidade, todo o seu enorme potencial que lhe era destinado. Ryan Babel permaneceu em Anfield Road durante quatro temporadas consecutivas (2007/2008, 2008/2009, 2009/2010, 2010/2011). 

        

DA ALEMANHA PARA A HOLANDA 
Após quatro temporadas na cidade de Liverpool, Ryan Babel viajou até à Alemanha, onde assinou contrato com o Hoffenheim, a meio da época 2010/2011. No clube alemão, Ryan Babel partilhou o balneário com craques como, por exemplo, Tom Starke, Carlos Eduardo, Luiz Gustavo, Roberto Firmino, Sejad Salihovic, Demba Ba, Josip Simunic, Vedad Ibisevic, Chinedu Obasi ou David Alaba, tendo sido orientado por dois treinadores: primeiro por Marco Pazzaiuoli e, depois, por Ralf Rangnick. Como jogador dos alemães do Hoffenheim, Ryan Babel jogou, na totalidade, 51 partidas e apontou, apenas, 6 golos, mas não festejou qualquer título desportivo em solo germânico. Ryan Babel ficou duas épocas nos alemães do Hoffenheim (2010/2011, 2011/2012). Depois de ter representado o Hoffenheim, Ryan Babel regressou à Holanda, onde assinou pelo "seu" Ajax de Amesterdão. Na Arena de Amesterdão, Ryan Babel foi colega da equipa de grandes jogadores como, por exemplo, Jasper Cillessen, Gregory van der Wiel, Daley Blind, Vurnon Anita, Miralem Sulejmani, Davy Klaassen, Lucas Andersen ou Isaac Cuenca, tendo sido treinado por Frank de Boer. Como jogador do Ajax de Amesterdão, Ryan Babel jogou, na totalidade, em 2012/2013, 22 jogos e marcou, apenas, 5 golos e conquistou 1 Eredivisie. Ryan Babel permaneceu na Holanda, apenas, na época 2012/2013. 

  

MUDANÇA PARA A TURQUIA 
Depois de  brilhar no regresso à Holanda, Ryan Babel mudou-se para a Turquia, na época 2013/2014, para assinar contrato com o modesto Kasimpasa, onde privou com outros jogadores como, por exemplo, Andreas Isaksson, André Castro, Tabaré Viúdez, Ezequiel Scarione ou Matías Fritzler, tendo sido treinado pelo georgiano Shota Arveladze. Como jogador do modesto clube turco Kasimpasa, Ryan Babel jogou, na totalidade, 30 jogos e apontou, apenas, 5 golos em solo turco, mas não festejou a conquista de qualquer título desportivo pelo Kasimpasa. 

     

ETERNA JOVEM PROMESSA NA LARANJA MECÂNICA 
Pela Seleção da Holanda, Ryan Babel regista, até ao momento, 42 internacionalizações e marcou 5 golos, tendo marcado presença em grandes competições de seleções como, por exemplo, o Campeonato do Mundo de 2006 (Alemanha) e de 2010 (África do Sul), bem como os Jogos Olímpicos de 2008 (Pequim). Pelas camadas jovens da seleção holandesa, Ryan Babel jogou no Campeonato da Europa de Sub-21, em 2007, e conquistou essa mesma competição. Ainda assim, Ryan Babel nunca conseguiu demonstrar a 100% todo o seu potencial na Laranja Mecânica

      

Atualmente, com 28 anos de idade, Ryan Babel continua ligado contratualmente aos turcos do Kasimpasa. 



A FICHA

Nome: Ryan Miguel Guno Babel 
Idade: 28 anos 
Data de Nascimento: 19/12/1986
Local de Nascimento: Amesterdão, Holanda 
Altura: 1,85m 
Peso: 76 kg 
Posição: Extremo-Esquerdo/Ponta-de-Lança 
Clube: Kasimpasa 
Internacionalizações: 42 jogos - 5 golos 


TRAJETÓRIA 

1998/2007: Ajax 
2007/2011: Liverpool 
2010/2012: Hoffenheim 
2012/2013: Ajax 
2013/2015: Kasimpasa 


PALMARÉS

1 Campeonato da Europa Sub-21 
2 Eredivisie 
2 KNVB-Beker 
2 Johan Cruijff Schaal


EM AÇÃO


Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Arrasador; E vão seis!; Final de festa.

     

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Benfica venceu a Taça da Liga, mas não se livrou do susto

Benfica vence a Taça da Liga (LUSA)

SL BENFICA 2-1 MARÍTIMO
(Jonas 37' e Ola John 80'; João Diogo 56')

Hoje, no Estádio Municipal de Coimbra, o Sport Lisboa e Benfica derrotou, por 2-1, o Marítimo, na Final da Taça da Liga, e revalidou o título de campeão nessa mesma competição. O destaque desta partida, ainda assim, vai para o jogo amorfo e sem "cor" das duas equipas, mas que ainda apresentaram algumas situações de perigo para cada lado.


GOLOS

37' - SL BENFICA: Golo de Jonas - No lado direito, o brasileiro Jardel cruza a bola para a grande área do Marítimo e o ponta-de-lança brasileiro, ex-Valência, aparece a cabecear para o fundo das redes defendidas por Romain Salin. Estava feito o 1-0.    

56' - MARÍTIMO: Golo de João Diogo - O extremo madeirense surge isolado no lado esquerdo, do ataque "maritimista", Jardel tenta ir atrás do português, mas João Diogo remata a bola, de forma subtil, por baixo do corpo do guarda-redes brasileiro Júlio César, fazendo o 1-1. 

80' - SL BENFICA: Golo de Ola John - Dentro da grande área do Marítimo, Jonas tenta rematar, perante a oposição madeirense, e o extremo holandês aparece, de repente, a rematar com força para dentro da baliza do francês Romain Salin, fazendo o 2-1 final. 


DESTAQUE

Jonas - Mais uma vez foi determinante no jogo. 

Júlio César - Não teve culpa no golo do Marítimo, mas evitou outros tantos. 

Ola John - O joker holandês, lançado por Jorge Jesus, teve o efeito desejado no jogo. 

Eliseu - Este jogador não corre... rebola. 

João Diogo - Marcou um golo que poderia ter dado o acesso às grandes penalidades. 

Danilo Pereira - Fez de tudo, desde médio-defensivo a médio-centro/ofensivo e até jogo como falso "9".

Moussa Marega - Até se lesionar sozinho, estava a fazer "tremer" a defesa do Benfica. 

Raúl Silva - As suas infantilidades custaram muito caro à equipa do Marítimo, quando ficou reduzida a 10 unidades. 


FALAM OS TREINADORES...

Jorge Jesus (SL Benfica): «Quero dedicar também este título ao Salvio» 

Ivo Vieira (Marítimo): «Não quero estar a falar do árbitro...» 


FALAM OS JOGADORES...

Ola John (SL Benfica): O meu último jogo? Acho que não» 

João Diogo (Marítimo): «Demos tudo para levar o jogo para as penalidades» 



Homem do jogo da parte do SL Benfica: Ola John  
Homem do jogo da parte do Marítimo: Romain Salin 

Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Hassan operado ao coração; Em nome de Salvio; Carlos Eduardo: "Títulos? Próxima época será diferente". 

   

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Bruno dá 10 mil euros; Gaitán no Manchester United; Vicente del Bosque: "Bueno é jogador de seleção espanhola". 

  

terça-feira, 26 de maio de 2015

Presidente anuncia renovação de Francisco Chaló, mas o treinador pede calma


José de Oliveira Mendes, Presidente do Sporting Clube da Covilhã, anunciou, no início desta semana, a renovação do contrato do treinador dos "leões da serra", Francisco Chaló, mas o técnico português, natural de Ermesinde, ainda não confirmou nada e pede calma. Francisco Chaló também já confirmou que já recebeu alguns convites de clubes da Primeira Liga, mas sublinhou que o mesmo tinha acontecido no ano passado. José Mendes viajou até à cidade da Covilhã para conversar com o treinador sobre a próxima época, de 2015/2016, e mostrou-se convencido de que Francisco Chaló vai renovar o contrato com o clube "leonino". 


Qual é a vossa opinião acerca desta notícia? Francisco Chaló vai continuar no comando técnico do Sporting da Covilhã? Ou poderá sair para a Primeira Liga? Se sair, quem poderá ser o seu sucessor? Comentem. 

Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Drama de Salvio; Vieira e Jesus já discutem renovação; Bueno dragão até 2020. 

  

segunda-feira, 25 de maio de 2015

OFICIAL: Carlo Ancelotti já não é treinador do Real Madrid


É oficial: Carlo Ancelotti, até à bem pouco tempo treinador dos espanhóis do "todo-poderoso" Real Madrid, já não é treinador do clube madrileno. O Presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, anunciou esta segunda-feira o fim do vínculo contratual que o treinador italiano mantinha com o Real Madrid. Ao fim de duas temporadas na equipa blanca, Carlo Ancelotti abandona o clube madridista, após uma temporada que esteve muito aquém das expetativas que um clube, com um grande historial, como é o Real Madrid, deixou na presente época de 2014/2015. Ainda assim, o ponto alto da passagem do técnico transalpino pelo Santiago Bernabéu foi a conquista da 10ª UEFA Champions League para o palmarés do Real Madrid, na época passada em 2013/2014, frente ao rival Atlético de Madrid. Para a sucessão de Carlo Ancelotti, no banco dos merengues, estão a ser apontados dois nomes: o alemão Jürgen Klopp e o espanhol Rafael Benítez. 


Qual é a vossa opinião acerca desta notícia? Carlo Ancelotti foi bem demitido do cargo de treinador do Real Madrid? Ou merecia mais uma oportunidade? Jürgen Klopp ou Rafael Benítez: quem sucederá ao treinador italiano? Comentem.  

O que é feito de... Hans-Jörg Butt


Foi um dos guarda-redes que passou pelo Bayern de Munique e ainda teve uma pequena passagem pelo nosso país e pelo nosso futebol português. Era um guarda-redes bastante forte no jogo aéreo, graças aos seus 1,91 metros de altura e era especialista em defender as grandes penalidades, bem como a marcá-las o que acabou por se tornar numa imagem de marca do guardião germânico. O seu nome é Hans-Jörg Butt. 


DO GROBENKNETEN PARA O OLDENBURG 
Nascido no dia 28 de Maio de 1974, na cidade alemã de Oldenburg, Hans-Jörg Butt começou a sua carreira no mundo do futebol nas camadas jovens do modesto clube alemão Grobenkneten, onde privou com jogadores desconhecidos. Hans-Jörg Butt permaneceu onze épocas nos escalões de formação do modesto Grobenkneten (de 1980/1981 até 1990/1991). Após ter brilhado nas camadas jovens do Grobenkneten, Hans-Jörg Butt acabou por rumar até ao também modesto Oldenburg, onde privou com jogadores como, por exemplo, o polaco Krzysztof, o egípcio Mohamed Azima ou o checo Oldrich Machala. Como jogador do Oldenburg, Hans-Jörg Butt jogou, na totalidade, 89 jogos e marcou 5 golos, tendo em conta que era guarda-redes, mas não conquistou qualquer título. Butt ficou no Oldenburg durante seis temporadas consecutivas (de 1991/1992 até 1996/1997). 

   

PRÓXIMOS DESTINOS: HAMBURGO E LEVERKUSEN 
Depois de dar imenso nas vistas pelos modesto Oldenburg, Hans-Jörg Butt, na época 1997/1998, rumou até à cidade de Hamburgo, onde assinou pelo clube local. Na equipa principal do Hamburgo, Hans-Jörg Butt partilhou o balneário como, por exemplo, o croata Josip Simunic, o dinamarquês Thomas Gravesen ou o bósnio Hasan Salihamidzic, tendo sido treinado pelo alemão Frank Pagelsdorf. Ao serviço do Hamburgo, Hans-Jörg Butt disputou, na totalidade, 152 jogos e marcou cerca de 21 golos, mas não conquistou nenhum título desportivo. O guarda-redes alemão permaneceu quatro épocas consecutivas em Hamburgo (de 1997/1998 até 2000/2001). Após brilhar na baliza do Hamburgo, Hans-Jörg Butt rumou até à cidade alemã de Leverkusen, onde assinou contrato com o Bayer Leverkusen. Na sua passagem pelo BayArena, Hans-Jörg Butt jogou ao lado de nomes como, por exemplo, Lúcio, Zé Roberto, Michael Ballack, Diego Placente, Hanno Balitsch ou Dimitar Berbatov. Como futebolista do Bayer Leverkusen, Hans-Jörg Butt jogou, na totalidade, 263 partidas e marcou 8 golos, mas não conquistou nenhum troféu pelo Bayer Leverkusen. Hans-Jörg Butt ficou no BayArena durante seis temporadas consecutivas (de 2001/2002 até 2006/2007). 

      

PASSAGEM FUGAZ POR LISBOA 
Na época seguinte, em 2007/2008, depois de ter dados nas vistas com a camisola do Bayer Leverkusen, Hans-Jörg Butt teve a única experiência futebolística fora da "sua" Alemanha: o guarda-redes alemão assinou contrato com o Sport Lisboa e Benfica, onde privou com futebolistas como, por exemplo, Maxi Pereira, Luisão, Petit, Katsouranis, Rui Costa, Cristian Rodríguez, Oscar Cardozo, Mantorras, Freddy Adu ou Makukula, tendo sido treinado por três treinadores: primeiro por Fernando Santos, depois por José António Camacho e, por fim, por Fernando Chalana. Como jogador do Benfica, Hans-Jörg Butt jogou, na totalidade, 7 jogos e, de forma incrível, não marcou qualquer golo, nem venceu qualquer título desportivo em solo português. Hans-Jörg Butt ficou em Portugal, apenas, na época 2007/2008. 

 

EM MUNIQUE ATÉ AO FIM 
Logo na época seguinte, em 2008/2009, Hans-Jörg Butt regressou à Alemanha para assinar contrato com o Bayern de Munique, onde integrou a Equipa B do clube bávaro. Na equipa secundária do Bayern de Munique, Butt jogou ao lado de jogadores como, por exemplo, Diego Contento, Diego Pizarro, Holger Badstuber, Toni Kroos, Maximilian Haas ou Thomas Müller. Pela Equipa B do Bayern de Munique, Hans-Jörg Butt jogou, na totalidade, 4 jogos e apontou, apenas, 1 golo. Face às boas exibições na equipa secundária do clube bávaro, Hans-Jörg Butt chegou à equipa principal do Bayern de Munique, onde foi companheiro de equipa de grandes futebolistas como, por exemplo, Willy Sagnol, Martín Demichelis, Mark van Bommel, Franck Ribéry, Luca Toni, Lukas Podolski ou Miroslav Klose, tendo sido treinado por dois grandes treinadores: primeiro por Jürgen Klinsmann e, depois, por Jupp Heynckes. Ao serviço da equipa principal do Bayern de Munique, Hans-Jörg Butt jogou, na totalidade, 91 jogos e apontou, apenas, 1 golo, tendo festejado a conquista de 1 Bundesliga, 1 Taça da Alemanha e 1 Supertaça da Alemanha. Hans-Jörg Butt permaneceu cinco épocas consecutivas no Allianz Arena (de 2008/2009 até 2011/2012). No final da temporada 2011/2012, Hans-Jörg Butt decidiu encerrar a sua carreira de futebolista profissional ao mais alto nível. 

   

NA SOMBRA DE OUTROS GUARDA-REDES 
Ao serviço da Seleção da Alemanha, Hans-Jörg Butt registou 4 internacionalizações e não marcou qualquer golo. Como jogador da Mannschaft, Hans-Jörg Butt marcou presença em algumas competições de seleções como, por exemplo, o Campeonato da Europa de 2000 (Bélgica/Holanda) e o Campeonato do Mundo de 2002 (Coreia do Sul/Japão) e de 2010 (África do Sul). Hans-Jörg Butt esteve sempre na sombra de grandes guarda-redes como, por exemplo, Oliver Kahn ou o falecido Robert Enke. 


Atualmente, com 40 anos de idade, Hans-Jörg Butt tem estado afastado das lides do futebol europeu e mundial. 



A FICHA

Nome: Hans-Jörg Butt 
Idade: 40 anos
Data de Nascimento: 28/05/1974 
Local de Nascimento: Oldenburg, Alemanha 
Altura: 1,91m 
Peso: 86 kg 
Posição: Guarda-Redes   
Internacionalizações: 4 jogos - 0 golos 


TRAJETÓRIA 

1980/1991: Grobenkneten 
1991/1997: VfB Oldenburg 
1997/2001: Hamburgo
2001/2007: Bayer Leverkusen 
2007/2008: SL Benfica 
2008/2012: Bayern de Munique 


PALMARÉS 

1 Bundesliga 
1 Taça da Alemanha 
1 Supertaça da Alemanha


EM AÇÃO

domingo, 24 de maio de 2015

Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Só faltou a cereja; Grandioso; Pinto da Costa: "Vou propor a renovação a Jackson". 

  

sábado, 23 de maio de 2015

quarta-feira, 20 de maio de 2015

O que é feito de... Fabrizio Miccoli


Conhecido como "Pequeno Bombardeiro" no Estádio da Luz, onde representou o Sport Lisboa e Benfica, este jogador possuía um potente remate, era bastante veloz e não era muito alto para o jogo aéreo, por causa dos seus 1,68 metros de altura. Foi outro grande avançado que passou pelo nosso futebol português e que deixou saudades no meio dos benfiquistas. O seu nome é Fabrizio Miccoli. 


DO CASARANO PARA O PERUGIA 
Nascido no dia 27 de Junho de 1979, na cidade italiana de Nardò, Fabrizio Miccoli começou a sua carreira de futebolista no modesto clube italiano Virtus Casarano, onde jogou ao lado de jogadores como, por exemplo, Roberto Pasca, Massimo Manca, Vito Grieco, Nello Cusin ou Luca Pierotti. Pelo Casarano, Fabrizio Miccoli jogou, na totalidade, 57 jogos e marcou cerca de 19 golos, mas não conquistou qualquer título desportivo. Miccoli ficou, apenas, duas épocas seguidas no Virtus Casarano (1996/1997, 1997/1998). Depois de dar nas vistas pelo Casarano, Miccoli assinou contrato pelo Ternana, onde acabou por jogar, na totalidade, 135 jogos e apontou cerca de 35 golos, mas não conquistou nenhum troféu. Fabrizio Miccoli ficou quatro temporadas consecutivas no modesto Ternana (de 1998/1999 até 2001/2002). Após brilhar, desta vez com as cores do Ternana, Miccoli assinou contrato com Perugia, onde privou com futebolistas como, por exemplo, o guarda-redes Zeljko Kalac, Di Loreto, Zé Maria ou Nicola Amoruso, tendo sido orientado por Serse Cosmi. Na época 2002/2003, como jogador do Perugia, Fabrizio Miccoli jogou, na totalidade, 42 jogos e marcou, apenas, 16 golos, mas não conquistou nenhum título pelo Perugia.     

      

PASSAGEM PELA VECCHIA SIGNORA 
Na temporada seguinte, em 2003/2004, Fabrizio Miccoli rumou até à cidade de Turim, onde assinou contrato com a Juventus, onde acabou por privar com grandes nomes do futebol europeu e mundial como, por exemplo, Gianluigi Buffon, Ciro Ferrara, Lilian Thuram, Olivier Kapo, Rubén Olivera, Edgar Davids, Alessandro del Piero, Pavel Nedved ou David Trezeguet, tendo sido treinado por Marcello Lippi. Como jogador da Vecchia Signora, Fabrizio Miccoli disputou, na totalidade, 39 jogos e apontou, apenas, 10 golos, tendo conquistado 1 Supertaça de Itália. O goleador transalpino ficou, apenas, duas temporadas seguidas na Juventus (2003/2004, 2004/2005). 

 

CHEGADA A PORTUGAL... POR EMPRÉSTIMO 
A meio da época 2004/2005, Fabrizio Miccoli foi cedido, a título de empréstimo à Fiorentina, onde foi colega de equipa de grandes futebolistas como, por exemplo, Tomás Ujfalusi, Christian Obodo, Luis Helguera, Marco Donadel, Jaime Valdés, Hidetoshi Nakata, Enzo Maresca, Valeri Bojinov ou Giampaolo Pazzini, tendo sido treinado por três treinadores: primeiro por Sergio Buso, depois por Dino Zoff e, por fim, por Emiliano Mondonico. Como jogador da Fiorentina, Miccoli jogou, na totalidade, 39 jogos e marcou cerca de 11 golos, mas não ganhou nenhum título. Na época seguinte, em 2005/2006, Fabrizio Miccoli voltou a ser cedido, a título de empréstimo, mas desta rumou até Portugal, onde assinou pelo Sport Lisboa e Benfica. No Estádio da Luz, Miccoli foi companheiro de equipa de jogadores como, por exemplo, Moreira, Quim, Luisão, Manuel dos Santos, Petit, Andrei Karyaka, Laurent Robert, Carlitos, Mantorras, Simão Sabrosa, Nuno Gomes ou Manduca, tendo sido treinado por dois treinadores: na primeira época por Ronald Koeman e, na segunda época, por Fernando Santos. Ao serviço do Benfica, Fabrizio Miccoli disputou, na totalidade, 56 partidas e marcou cerca de 19 golos, incluindo um grande golo frente ao Liverpool nos quartos-de-final da UEFA Champions League e conquistou 1 Supertaça de Portugal. Fabrizio Miccoli ficou, apenas, duas época seguidas no Estádio da Luz (2005/2006, 2006/2007). 

  

REGRESSO A ITÁLIA  
Após duas temporadas no Sport Lisboa e Benfica, por empréstimo da Juventus, Fabrizio Miccoli ingressou, a título definitivo, no Palermo, na época 2007/2008. Na sua passagem pelo Renzo Barbera, Fabrizio Miccoli jogou ao lado de futebolistas como, por exemplo, Cristian Zaccardo, Andrea Barzagli, Federico Balzaretti, Mark Bresciano, Fábio Simplício, Edinson Cavani, Edgar Çani ou Amauri, tendo sido orientado por dois treinadores: primeiro por Renzo Gobbo e, depois, por Stefano Colantuono. Como jogador dos italianos do Palermo, Fabrizio Miccoli jogou, na totalidade, 179 jogos e marcou 81 golos, mas não festejou a conquista de qualquer título no regresso ao futebol italiano.  O "Pequeno Bombardeiro" permaneceu ficou seis temporadas consecutivas na ilha da Sicília (de 2007/2008 até 2012/2013).

       

CHEGADA AO VIA DEL MARE   
Após ter marcado imensos golos pelo conjunto siciliano, Fabrizio Miccoli ao Estádio Via del Mare, para assinar contrato com Lecce, na época 2013/2014. No Via del Mare, Fabrizio Miccoli partilhou o balneário com jogadores de futebol como, por exemplo, Walter López, Gilberto Martínez, Abdou Doumbia ou Luigi Falcone, tendo sido treinado por dois treinadores: primeiro por  Franco Lerda e, depois, por Francesco Moriero. Na época 2013/2014, Fabrizio Miccoli disputou, na totalidade, 27 partidas e marcou cerca de 13 golos e não conquistou nenhum título desportivo com as cores da Lecce. 


POUCO UTILIZADO NA AZZURRA 
Se ao nível dos clubes que representou Miccoli marcou muitos golos, pela Seleção de Itália foi pouco utilizado e marcou pouquíssimos golos, registando 10 internacionalizações e 2 golos marcados e nunca marcou presença numa grande competição de seleções. Ainda assim, Fabrizio Miccoli conseguiu marcar presença na fase de qualificação para o Campeonato da Europa de 2004 (Portugal) e para o Campeonato do Mundo de 2006 (Alemanha). 


Atualmente, com 35 anos de idade, Fabrizio Miccoli, o "Pequeno Bombardeiro", continua ligado contratualmente aos italianos da Lecce.



A FICHA

Nome: Fabrizio Miccoli 
Idade: 35 anos
Data de Nascimento: 27/06/1979 
Local de Nascimento: Nardò, Itália 
Altura: 1,68m 
Peso: 66 kg 
Posição: Ponta-de-Lança 
Clube: Lecce 
Internacionalizações: 10 jogos - 2 golos    


TRAJETÓRIA 

1996/1998: Casarano 
1998/2002: Ternana 
2002/2003: Perugia
2003/2005: Juventus 
2004/2005: Fiorentina (empréstimo)
2005/2007: SL Benfica (empréstimo)
2007/2013: Palermo 
2013/2015: Lecce


PALMARÉS 

1 Supertaça de Portugal
1 Supertaça de Itália


EM AÇÃO


Jornais de Hoje

Títulos de hoje: Jesus sob pressão; Sporting quer Jesus; Futuro traçado a dois.