segunda-feira, 18 de julho de 2016

Entrevista Exclusiva: Miguel Lázaro, guarda-redes do Benfica de Castelo Branco


Em entrevista ao blogue Galáxia Futebolística, Miguel Lázaro aborda vários assuntos de ordem futebolística como, por exemplo, o porquê da escolha do Benfica de Castelo Branco para prosseguir a sua carreira, a caraterização do Campeonato de Portugal Prio, os objetivos pessoais, o treinador que mais o marcou ao longo da sua carreira e até a Seleção Nacional. Miguel Lázaro é mais um grande guarda-redes que irá, de certeza, brilhar nas redes do clube albicastrense.

Depois de uma passagem pela 1ª Liga, o que o fez optar por representar o Benfica de Castelo Branco nesta temporada?
Neste momento era algo de que precisava, estava há dois anos no Vitoria sem jogar, a treinar todos os dias sem nunca ter tido uma oportunidade. A verdade é que um jovem guarda-redes como eu precisa de jogo e de ganhar experiência. O Benfica de Castelo Branco apareceu numa boa altura. Antes de tomar a decisão informei-me acerca do clube com colegas meus, com o meu empresário… e o feedback que me foi dado foi muito positivo, tratava-se de um clube com grandes condições, boas pessoas e de ambições bem realistas, algo que viria a confirmar mais tarde. A minha primeira visita as instalações e o primeiro contacto com os responsáveis do clube foi algo que me deixou bastante animado, as instalações superaram as minhas expetativas e as pessoas foram bastante simpáticas, gente boa e muito simples. Por fim, acabei por decidir assinar pelo BCB por todas as razões enumeradas anteriormente.
 

Quais serão os seus objetivos pessoais para a nova época em Castelo Branco?
Os meus objetivos estão bem presentes na minha cabeça e passam por, em primeiro lugar, agarrar a titularidade e depois quero contribuir ao máximo para o bom desempenho da equipa nas competições que estiver inserida. Claro que espero no fim da época poder dar o salto, mas acima de tudo quero demonstrar juntamente com os meus colegas aquilo que podemos fazer enquanto equipa.

Ao nível da formação representou o Sporting, o Vitória de Setúbal e o Clube Olímpico do Montijo. Que recordações guarda desses tempos?  
Em todos os clubes que falou passei bons e maus momentos, como tudo na vida. Guardo momentos felizes e guardo outros menos bons que considero tão ou mais importantes que os bons, digo isto porque foram situações que me obrigaram a crescer não só como jogador mas acima de tudo como homem. Falando de recordações em particular, guardarei para sempre a minha primeira chamada a Seleção Nacional e a minha primeira internacionalização, quando estava emprestado pelo Sporting ao Olímpico do Montijo. Depois guardo também as amizades que fui deixando pelo futebol, acho que isso é e sempre será das melhores coisas que o futebol me pode dar.

Fonte: zerozero.pt
Visto que vai jogar no Campeonato de Portugal Prio, como carateriza esse tipo de campeonato?
Tanto quanto sei é um campeonato competitivo, com muitos jogos e acima de tudo com muita visibilidade e neste momento é exatamente disso que preciso. Sei que hoje em dia, devido às dificuldades financeiras que muitos clubes da primeira e segunda liga atravessam, estes mesmos clubes são obrigados a recorrer a jogadores provenientes deste campeonato, aliás, nas últimas duas/três épocas acho que tem sido algo bem evidente, inclusive, na última época maior parte dos jogadores revelação da primeira liga foram jogadores que vieram do CNS. 

Sendo guarda-redes, qual foi o jogador que já lhe causou grandes “dores de cabeça”? 
Não tenho assim nenhum jogador que possa falar em particular. Os que mais me recordo são alguns que defrontava nos meus tempos de formação do Sporting, como por exemplo, o André Silva, o Gonçalo Guedes e o Marcos Lopes.


Qual foi o treinador que mais o marcou ao longo da sua carreira de futebolista?
Tive treinadores que me marcaram pela positiva e pela negativa. Uma coisa é certa, ambos me ajudaram a crescer, uns por umas razões e outros por outras. Em particular, é inevitável falar deste, o meu treinador de guarda-redes da época passada no Vitória, Carlos Ribeiro. Foi uma pessoa com quem trabalhei desde a minha primeira passagem pelo Vitória, na altura com 11 anos, e viria a ser peça fundamental no meu regresso a Setúbal já com idade júnior e de onde transitaria para o futebol sénior. Sei que foi alguém que sempre acreditou em mim e que por ele, apesar de nunca me o ter dito, as coisas por lá teriam sido diferentes em relação a mim. É daquelas pessoas que sei que não vou perder o contacto e agradeço-lhe por ter sido o professor que foi para mim.  
 
Fonte: zerozero.pt

Qual é a sua referência enquanto guarda-redes?
Sempre gostei muito do Van der Sar. Dos que se mantem no ativo, admiro muito o Buffon e numa perspetiva diferente, com estilos bem distintos também gosto muito do Kasper Schmeichel.  


Ao longo da sua carreira já recebeu algum convite de um clube estrangeiro?
Não.

Gostava de chegar a um dos Três Grandes do futebol português?
Acho que isso é daquelas coisas que qualquer jogador português sonharia. Conta-se pelos dedos de uma mão aqueles que não gostariam de lá estar, mas é algo que está longe de ser uma obsessão para mim, sei que para se fazer uma boa carreira no futebol não é um sítio de passagem obrigatória, e temos vários exemplos disso no futebol atual.


Ainda pensa que poderá ser possível chegar à Seleção Nacional?

Claro que sim. Se não tiver esse pensamento com 21 anos o que diria de jogadores como José Fonte que fizeram a sua primeira internacionalização A aos 30 anos? Temos vários exemplos em Portugal que as coisas mudam da noite para o dia, o próprio Eduardo foi chamado a Seleção pela primeira vez com 28 anos, senão me engano. 


Qual é, para si, o melhor onze de sempre do futebol mundial?
O onze que irei escolher será baseado naquilo que vi, sei que existiram jogadores de grande qualidade (Baresi, Maradona, Eusébio, Di Stéfano…) mas que não os irei incluir pois nunca os vi jogar.
GR – Manuel Neuer
DE – Roberto Carlos
DC – Fabio Cannavaro
DC – Paolo Maldini
DD – Cafú
MC –Andrés Iniesta
MC – Zinedine Zidane
MO – Ronaldinho
AD – Lionel Messi
AC – Ronaldo
AE – Cristiano Ronaldo



Obrigado por ter aceite dar esta entrevista e o blogue Galáxia Futebolística deseja-lhe boa sorte a si e ao Benfica de Castelo Branco para a época de 2016/2017. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Podem comentar á vontade e cada um pode expressar a sua opinião, mas aviso já que não aceito comentários insultuosos contribuindo para o bom funcionamento da caixa de comentários e para debater opiniões sobre as notícias colocadas no blog.
Por fim, peço também aos "anónimos" que assinem o seu nome/nick no final dos seus comentários de modo a facilitar a comunicação entre os leitores e o autor do blog.