segunda-feira, 17 de abril de 2017

FC Porto de 2010/2011: a última glória europeia dos dragões

Hoje na rúbrica Dream Team vai ser relembrada  a equipa do Futebol Clube do Porto que venceu a Liga Europa, na época de 2010/2011, sob a orientação técnica do jovem treinador português André Villas-Boas. Com uma equipa repleta de qualidade e de grandes jogadores como, por exemplo, Falcao, Hulk, Otamendi ou João Moutinho, o FC Porto conquistou a sua última competição europeia e nunca mais voltou a repetir tal feito daí em diante. E para essa conquista assinalável para o prestígio do futebol português muito contribuiu o onze-base elaborado por André Villas-Boas que soube juntar as peças certas para dar uma grande alegria aos adeptos do FC Porto, no particular, e aos portugueses, no geral. Mas vamos por partes. Na baliza, o FC Porto contava com a presença do titularíssimo Hélton e o quarteto defensivo era constituído por Cristian Sapunaru, no lado direito, e por Álvaro Pereira, no lado esquerdo, sendo que a dupla de defesas-centrais era constituída por Rolando e por Nicolás Otamendi. Logo a seguir, no meio-campo, o FC Porto utilizou um sistema com três médios nessa zona nevrálgica do terreno de jogo, onde o brasileiro Fernando desempenhava a função de médio-defensivo, enquanto que, à frente do pivô defensivo, Fredy Guarín jogava como médio interior direito e o João Moutinho atuava como médio interior esquerdo.
Por fim, no ataque, o Futebol Clube do Porto jogava com três homens na frente de ataque, onde o Silvestre Varela jogava no flanco direito e o brasileiro Hulk jogava no flanco esquerdo, de forma a darem mais profundidade aos respetivos flancos e para apoiarem o ponta-de-lança de serviço que era o colombiano Radamel El Tigre Falcao. E foi com este onze-base que o FC Porto, de André Villas-Boas, partiu à conquista da Liga Europa, na temporada de 2010/2011.
Nessa Liga Europa, o FC Porto até começou muito bem ao terminar em primeiro lugar no Grupo L, com 16 pontos, à frente de Besiktas (2º lugar - 13 pontos), Rapid de Viena (3º lugar - 3 pontos) e CSKA de Sófia (4º lugar - 3 pontos). Depois de terminar na liderança do Grupo L, o clube azul e branco seguiu para os 16 avos-de-final da competição onde defrontou os espanhóis do Sevilla e na primeira mão, em Espanha, o FC Porto venceu por 1-2, com golos de Rolando e de Fredy Guarín; na segunda mão, em solo nacional, o FC Porto perdeu, apenas, por 1-0 com o golo solitário a ser apontado por Luís Fabiano. Mas deu para seguir em frente na prova. De seguida, nos oitavos-de-final da Liga Europa, o FC Porto jogou frente aos russos do CSKA de Moscovo e na primeira mão, em Moscovo, derrotou o conjunto russo por 0-1, com o golo a ser marcado por Fredy Guarín; na segunda mão, no Estádio do Dragão, o FC Porto levou de vencido os russos, por 2-1, com os golos a serem marcados por Guarín e Hulk. Depois nos quartos-de-final dessa Liga Europa, o FC Porto voltou a defrontar outra equipa russa: o Spartak de Moscovo. Na primeira mão, em Portugal, a equipa de Villas-Boas venceu os russos, por 5-1, com os golos a serem apontados por Maicon, Silvestre Varela (duas vezes) e por Falcao (três vezes); na segunda mão, outra vez em Moscovo, o FC Porto venceu por 2-5, com os golos a serem apontados por Fredy Guarín, Hulk, Cristián Rodríguez e Falcao.
Falcao salta para a glória do FC Porto
Após despachar o Spartak de Moscovo, o Futebol Clube do Porto seguiu viagem até às meias-finais da Liga Europa, onde acabou por defrontar os espanhóis do Villarreal. Na primeira mão, no Estádio do Dragão, o FC Porto goleou os espanhóis por 5-1, com os golos a serem marcados por Fredy Guarín (três vezes) e por Radamel Falcao (quatro vezes); na segunda mão, em Espanha, no mítico El Madrigal, o Villarreal vergou o FC Porto a uma derrota por 3-2, onde Joan Capdevila, Cani e Giuseppe Rossi marcaram os três golos do Submarino Amarelo, enquanto que Radamel Falcao e Hulk marcaram os "golos de honra" do conjunto azul e branco, treinado pelo português André Villas-Boas. Mesmo perdendo, esta foi uma derrota com sabor a vitória, pois permitiu que o FC Porto seguisse viagem para Dublin, onde iria defrontar outra equipa portuguesa na Final da Liga Europa: o Sporting Clube de Braga. Nessa histórica final para o FC Porto, em particular, e para o futebol português, no geral, foi muito emotiva, mas a vitória sorriu ao conjunto de Villas-Boas que venceu, por 1-0, o Sporting de Braga, depois de Radamel Falcao, aos 44 minutos e em cima do intervalo, ter cabeceado o esférico para o fundo das redes de um desamparado Artur Moraes. Este golo histórico valeu a última conquista europeia do FC Porto e foi o assinalar da despedida de Radamel Falcao, que se sagrou o melhor marcador da Liga Europa ao marcador 17 golos. Ainda hoje, os adeptos portistas têm saudades desses tempos de glória do clube presidido por Jorge Nuno Pinto da Costa.                 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Podem comentar á vontade e cada um pode expressar a sua opinião, mas aviso já que não aceito comentários insultuosos contribuindo para o bom funcionamento da caixa de comentários e para debater opiniões sobre as notícias colocadas no blog.
Por fim, peço também aos "anónimos" que assinem o seu nome/nick no final dos seus comentários de modo a facilitar a comunicação entre os leitores e o autor do blog.