Seleção do Irão: os iranianos regressam a um Mundial

Resultado de imagem para irão mundial 2018
Depois de terminar em primeiro lugar na 2ª Fase de Qualificação, na zona asiática, (ficando à frente de Omã, Turquemenistão, Guam e Índia), na 3ª Fase (ficando também à frente de Coreia do Sul, Síria, Usbequistão, China e Qatar) e na 4ª Fase (ficando também à frente de Coreia do Sul, Usbequistão, Qatar e Líbano), a Seleção do Irão, comandada por Carlos Queiroz, técnico português, de 65 anos de idade, marca presença num Campeonato do Mundo pela quinta vez consecutiva, depois de participar nos Mundiais de 1978 (Argentina), de 1998 (França), de 2006 (Alemanha) e de 2014 (Brasil). Neste Mundial, que decorre em solo russo, a Seleção do Irão quererá fazer melhor figura, mesmo que pela frente tenha a Seleção de Espanha, antiga Campeã do Mundo e Bicampeã Europeia, a Seleção Nacional, atual Campeã Europeia, e a Seleção de Marrocos. 

Estrela da Equipa: Sardar Azmoun (Rubin Kazan): Atualmente ao serviço dos russos do Rubin Kazan, Sardar Azmoun, mais conhecido como Messi iraniano, é a grande estrela da seleção orientada por Carlos Queiroz e em quem os adeptos depositam muitas esperanças neste Mundial, esperando que o jovem craque iraniano faça uma boa prestação em solo russo. Avançado móvel e hábil, o avançado do Irão destaca-se pela sua espantosa capacidade de drible e pela perícia com que trata a bola, como se a tratasse por tu, bem com a sua boa capacidade de finalização. 

Jogador a Seguir: Alireza Jahanbakhsh (AZ Alkmaar): Aos 24 anos de idade, Alireza Jahanbakhsh mostra ser um jogador muito interessante de se seguir neste mesmo Campeonato do Mundo de 2018. Dono de uma boa capacidade de drible, Alireza possui uma muito boa capacidade de passe, uma boa capacidade de finalização, como comprovam os 22 golos marcados em 39 jogos, pelo AZ Alkmaar, e uma capacidade de cruzamento também muito boa, que faz com que os seus centros sejam perigosos para a defesa contrária. 

Selecionador: Carlos Queiroz (português, 65 anos): O ex-selecionador português vai mantendo uma relação de amor-ódio com a Federação Iraniana, mas, ao mesmo tempo, lá vai levando o conjunto da Antiga Pérsia a mais um Campeonato do Mundo (depois de ter marcado presença, em 2014, no Brasil). Num grupo com Portugal, Espanha e Marrocos, o antigo treinador do Real Madrid e do Sporting vai apostar num futebol mais reativo, assente em defesas compactas e contra-ataques muito rápidos, onde Azmoun será parte integrante da manobra ofensiva dos iranianos.  

Equipa-Tipo: Alireza Beiranvand, Ramin Rezaeian, Morteza Pouraliganji, Jalal Hosseini, Milad Mohammadi; Saeid Ezatolahi, Ehsan Hajsafi; Masoud Shojaei; Alireza Jahanbakhsh, Mahdi Torabi e Sardar Azmoun. 

Selecionador: Carlos Queiroz
          

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vai dar que falar... João Virgínia

Scouting: Jorge Fellipe

Convocatória de Rui Vitória para o Bonfim sem qualquer novidade