Seleção da Tunísia: ficar pela fase de grupos já é uma tradição

Resultado de imagem para tunisia mundial 2018A Seleção da Tunísia regressa a um Campeonato do Mundo, depois das presenças nos Mundiais de 1978, 1998, 2002 e de 2006. E nestas quatro presenças em Mundiais, a seleção tunisina nunca passou da fase de grupos e no Rússia'2018 a tarefa tornar-se mais complicada já que partilha o grupo com Bélgica e Inglaterra, as favoritas a seguir em frente na prova. Apesar de todas essas condicionantes, o selecionador Nabil Maâloul apontou ao segundo lugar do grupo, mas se ficarem em terceiro já é um prémio muitíssimo positivo depois de ter conseguido chegar à Rússia. Neste Campeonato do Mundo, a Tunísia voltará a confiar a 100% na sua capacidade defensiva frente aos dois adversários de maior valia e o contra-ataque será uma arma para utilizar já que os adversários passarão 90 minutos a sufocá-los na grande área e deixando a defesa descoberto e com buracos.
No que diz respeito à Fase de Qualificação, a Seleção da Tunísia derrotou, por 2-1, a Seleção da Mauritânia, nos dois jogos da 2ª Fase; na fase de grupos, da 3ª Fase, a seleção tunisina acabou em primeiro lugar, à frente do Congo, da Líbia e da Guiné, somando 4 vitórias, 2 empates, 0 derrotas, 11 golos marcados, 4 sofridos e 14 pontos conquistados em 6 jogos realizados.
No Mundial de 2018, a Seleção de Tunísia, aparentemente, será uma seleção muito frágil, mas o empate conseguido frente a Portugal, num jogo de preparação, indicia que poderão causar problemas à Bélgica e à Inglaterra, que lutam pelos dois lugares de qualificação, e ao estreante Panamá. Esta seleção tunisina é aquele tipo de seleção que é um lobo com pele de cordeiro.

Estrela da Equipa: Wahbi Khazri (Rennes): Emprestado pelo Sunderland ao Rennes, nesta última temporada desportiva, Wahbi Khazri é a grande estrela desta modesta Seleção da Tunísia, que quer surpreender toda a gente neste Campeonato do Mundo. Com um temperamento muito imprevisível, o avançado tunisino é um jogador que quase se se multiplica em campo, fazendo pressão intensa sobre o portador da bola, sabe como guardá-la o tempo que for necessário e quando há-de passá-la. Este futebolista tem também uma excelente capacidade de remate a meia distância, qua poderá fazer alguns estragos neste Mundial. Aos 27 anos de idade, Wahbi Khazri vai participar no seu primeiro Campeonato do Mundo e, além disso, uma boa prestação pela Seleção da Tunísia poderá abrir-lhe novas portas na próxima época noutros campeonatos (até, quem sabe, no campeonato português).

Jogador a Seguir: Bassem Srarfi (Nice): Com passagem pelos tunisinos do Club Africain e pelos franceses do Nice, Bassem Srarfi é a nova coqueluche da Seleção da Tunísia e da equipa principal do Nice. Veloz como uma flecha, o jovem prodígio tunisino tem velocidade, controlo de bola, capacidade de drible, de cruzamento, de passe, de finalização (apesar de precisar de ser melhorada) e tem frieza na hora de atacar. Com 20 anos de idade, Bassem Srarfi vai participar, tal como Wahbi Khazri, no seu primeiro Campeonato do Mundo e, caso tenha uma prestação digna, pode dar o salto para uma equipa mais competitiva, em França ou noutro campeonato, ou então reivindicar um lugar como titular na equipa do Nice na próxima época. Todos os olhares estarão em Bassem Srarfi e naquilo que ele poderá fazer no Mundial de 2018.

Selecionador: Nabil Maâloul (tunisino, 55 anos): Após o técnico Henryk Kasperczak ter vencido a Taça das Nações Africanas, em 2017, a Federação da Tunísia escolheu o compatriota Nabil Maâloul para dirigir a seleção tunisina nos últimos quatro jogos de qualificação, onde conseguiu duas vitórias e dois empates e levou a Tunísia de volta a um Campeonato do Mundo. O selecionador tunisino, de 55 anos de idade, aposta com muita frequência no sistema tático de 4x2x3x1, quando enfrenta equipas de valor semelhante, mas varia para o 4x3x2x1 quando apanha pela frente um adversário de maior valia e mais difícil. Tendo em conta que a seleção tunisina tem uma enorme escassez de recursos, o técnico Nabil Maâloul acaba por focar-se muito nas tarefas defensivas, embora os laterais tenham permissão e são motivados para atacar pelos dois flancos. Num grupo onde está com Bélgica e Inglaterra, o selecionador já deixou uma premissa: "mais do que um sonho, passar o grupo do Mundial é um objetivo".

Equipa-Tipo: Moez Hassen, Hamdi Nagguez, Yassine Meriah, Syam Ben Youssef, Ali Maâloul; Ferjani Sassi, Karim Aouadhi, Ben Amor; Wahbi Khazri, Naim Sliti, Yassine Khenissi.

Selecionador: Nabil Maâloul

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vai dar que falar... João Virgínia

Vai dar que falar... Léo Jabá

Scouting: Jorge Fellipe