Seleção do Japão: será necessário um "Oliver Tsubasa" para os ajudar a passar a fase de grupos

Resultado de imagem para japao mundial 2018A dois meses do Campeonato do Mundo de 2018, a Seleção do Japão deu um autêntico tiro no pé a demitir o selecionador japonês, o bósnio Vahid Halilhodzic. Mas este afastamento do bósnio da seleção nipónica poderá ser benéfica para a equipa que assim poderá contar com os elementos mais experientes no Mundial, mas terá sempre como lado negativo o facto de terem de assimilar as novas ideias do novo selecionador em muito pouco tempo. E isso leva tempo e não prevejo que o Japão consiga passar a fase de grupos, a não ser que apareça um Oliver Tsubasa que os ajude a passar o grupo mais equilibrado do maior torneio de seleções a nível mundial. Ainda assim, enquanto Vahid Halilhodzic foi o selecionador do Japão, a seleção japonesa fez uma Fase de Qualificação suficiente para conseguir chegar ao Rússia'2018: na 2ª Fase, a Seleção do Japão terminou o seu grupo em primeiro lugar, ficando à frente da Síria, da Singapura, do Afeganistão e do Camboja, somando 7 vitórias, 1 empate, 0 derrotas, 27 golos marcados, 0 sofridos e 22 pontos conquistados em 8 jogos realizados; logo a seguir, na 3ª Fase, a seleção nipónica voltou a terminar em primeiro lugar no seu grupo, ficando agora à frente da Arábia Saudita, da Austrália, dos Emirados Árabes Unidos, do Iraque e da Tailândia, somando 6 vitórias, 2 empates, 2 derrotas, 17 golos marcados, 7 sofridos e 20 pontos ganhos em 10 partidas disputadas. 
Agora, no Campeonato do Mundo de 2018, na Rússia, a Seleção do Japão, já com novo selecionador, terá que assimilar, de forma muito rápida, todas as ideias de jogo do novo técnico e entrar concentrada em cada jogo, se quiser passar a fase de grupos num grupo onde está com a Polónia, a Colômbia e o Senegal. Os jogadores do Japão terão que ser onze samurais em campo para honrarem o seu país. 

Estrela da Equipa: Maya Yoshida (Southampton): Aos 29 anos de idade, Maya Yoshida vai participar no seu segundo Campeonato do Mundo, depois de ter marcado presença no Mundial de 2014, no Brasil. Quando apareceu no Nagoya Grampus, Yoshida desempenhava a função de médio-centro, mas a sua envergadura física acabou por levá-lo a atuar como defesa-central e aí permaneceu no resto da sua carreira. Mas o defesa-central do Southampton não depende, apenas, do poderio físico, já que também é um jogador versátil, podendo jogar nas duas laterais, visto que se sente confortável a definir lances, ora com o pé esquerdo, ora com o pé direito. Já muito perto dos 30 anos de idade, Maya Yoshida terá aqui uma última oportunidade de ter uma boa prestação que lhe possa abrir mais algumas portas no futebol europeu ou até, quem sabe, no seu próprio país. 

Jogador a Seguir: Shoya Nakajima (Portimonense): Nós, adeptos portugueses, já conhecemos o futebol jogado de Shoya Nakajima que, aos 23 anos de idade, irá participar no seu primeiro Campeonato do Mundo. Para quem não o conhece, Nakajima é jogador móvel na frente de ataque, tem velocidade, criatividade, posicionamento, agressividade (no bom sentido), controlo e frieza em campo. Como se viu esta época, com as cores do Portimonense, o futebolista nipónico pode jogar em qualquer um dos dois flancos, apesar de jogar melhor no lado esquerdo do ataque, ou como médio-ofensivo no apoio ao ponta-de-lança de serviço. Depois da época estrondosa que fez, em Portugal, ir ao Campeonato do Mundo já é um prémio muito bom para o Nakajima, mas mesmo que não seja titular em alguns jogos, será sempre um jogador a ter em conta para lançar durante as partidas. Uma boa prestação no Rússia'2018 abrirá muitas portas ao jovem futebolista japonês.   

Selecionador: Akira Nishino (japonês, 63 anos): Após a saída forçada de Vahid Halilhodzic da Seleção do Japão, a dois meses do início do Campeonato do Mundo,  que se deveu a desentendimentos entre as principais estrelas nipónicas e o técnico bósnio, a Federação japonesa recorreu a uma solução de recurso interno: Akira Nishino. O novo selecionador japonês foi um antigo internacional nipónico e tem uma larga experiência como treinador, quer no campeonato local (foi campeão pelo Gamba Osaka, em 2005), quer nas seleções jovens japonesas. Este Campeonato do Mundo, em solo russo, será um autêntico teste de fogo para o técnico de 63 anos, já que tem muito pouco tempo para impor um cunho mais pessoal na equipa e sabendo que foi uma escolha para o lugar, deixado vago por Halilhodzic, um pouco apressada. O tempo dirá se foi uma boa ou má escolha.

Equipa-Tipo: Eiji Kawashima, Gotoku Sakai, Maya Yoshida, Masato Morishige, Yuto Nagatomo; Hotaru Yamaguchi, Makoto Hasebe, Ryota Morioka; Keisuke Honda, Takashi Inui, Shinji Okazaki.

Selecionador: Akira Nishino

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vai dar que falar... João Virgínia

Vai dar que falar... Léo Jabá

Scouting: Jorge Fellipe